Arquivo para outubro, 2010

SOBRE PAIXÃO E PONDERAÇÃO

Posted in PAIXÃO on 23 de outubro de 2010 by waleskapink

Acho que eu nasci com ponderação e fui perdendo com o passar do tempo, diferente da regra, fui uma criança ponderada, fui bem na escola, nunca fui pra secretaria, nunca quebrei um braço. Na adolescência também, ponderada até demais, nunca fui de farra, nunca bebi, sempre certinha, exemplo de ser humano…

Só agora, depois dos trinta, passei a ser uma pessoa confiável. Em pouco tempo, bati o carro, tomei um porre de caí e vomitar e passei dias de cama, virei a noite em festas, e outras coisinhas mais… Agora sim, sou uma pessoa completamente confiável!!!  Porque???  Por que sou apaixonada!!!  Apaixonada pela vida…   Vivo cada segundo como se fosse o último de meus dias. Valorizo cada nascer do sol como um presente onde rasgo o papel sem dó. Não tenho medo de errar,  tenho medo é de não viver, e assim vou deixando a vida me levar, cada dia com um gostinho diferente, sem cardápio pré definido, o que vier eu aprecio e tiro o que tiver de melhor. Com muita paixão, mas sem ponderação.

E… MINHA ETERNA PAIXÃO

Posted in Não categorizado on 10 de outubro de 2010 by waleskapink

Eu quero a chance de te provar o meu amor. De te mostrar o quanto és importante pra mim. Você não sabe o que eu seria capaz de fazer pra ter você; não sabe quanto tempo eu te esperei e sou capaz de esperar. Eternidade???? Um grão de areia. Te espero alem da vida e da morte, porque o amor não cabe nesse corpo, já veio com minha alma e vai pra onde ela for. Meus atos nessa vida são falhos, meu corpo é humano e tendencioso a envolvimentos puramente racionais, nada comparado a eu e você. Quando você me olha, o mundo para, todos os meus sentidos se voltam somente pra você, poderia acabar o mundo que eu não perceberia. Me entrego completamente e te sinto assim também. Sei que você não acredita em tudo o que eu digo, mas isso não importa, o tempo vai te mostrar, como você um dia me disse, o quanto eu quero você…

Waleska Raquel

AMIGAS

Posted in Não categorizado on 7 de outubro de 2010 by waleskapink

“Algumas pessoas se destacam para nós (…) Não importa quando as encontramos no nosso caminho. Parece que estão na nossa vida desde sempre e que mesmo depois dela permanecerão conosco. É tão rico compartilhar a jornada com elas que nos surpreende lembrar de que houve um tempo em que ainda não sabíamos que existiam. É até possível que tenhamos sentido saudade mesmo antes de conhecê-las. O que sentimos vibra além dos papéis, das afinidades, da roupa de gente que usam. Transcende a forma. Remete à essência. Toca o que a gente não vê. O que não passa. O que é (…) Com elas, o coração da gente descansa. Nós nos sentimos em casa, descalços, vestidos de nós mesmos. O afeto flui com facilidade rara. Somos aceitos, amados, bem-vindos, quando o tempo é de sol e quando o tempo é de chuva. Na expressão das nossas virtudes e na revelação das nossas limitações. Com elas, experimentamos mais nitidamente a dádiva da troca nesse longo caminho de aprendizado do amor. “

[Ana Jácomo]

 

AMO, AMO, AMOOOOOOO!!!!!!

AMOR EM ESTADO BRUTO

Posted in PAIXÃO on 6 de outubro de 2010 by waleskapink

Tempo, pensamento, libido e energia são solteiros e morrerão assim, mesmo contra nossa vontade. O que é, o que é? Faz você ter olhos para uma única pessoa, faz você não precisar mais ficar sozinho, faz você querer trocar de sobrenome, faz você querer morar sob o mesmo teto. Errou. Não é amor. Todo mundo se pergunta o que é o amor. Há quem diga que ele nem existe, que é na verdade uma necessidade supérflua criada por um estupendo planejamento de marketing: desde criança somos condicionados a eleger um príncipe ou uma princesa e com eles viver até que a morte nos separe. Assim, a sociedade se organiza, a economia prospera e o mundo não foge do controle. O parágrafo anterior responde o primeiro. Não é amor querer fundir uma vida com outra. Isso se chama associação: duas pessoas com metas comuns escolhem viver juntas para executar um projeto único, que quase sempre é o de construir família. Absolutamente legítimo, e o amor pode estar incluído no pacote. Mas não é isso que define o amor. Seguramente, o amor existe. Mas, por não termos vontade ou capacidade para questionar certas convenções estabelecidas, acreditamos que dar amor a alguém é entregar a essa pessoa nossa vida. Não só nosso eu tangível, mas entregar também nosso tempo, nosso pensamento, nossas fantasias, nossa libido, nossa energia: tudo aquilo que não se pode pegar com as mãos, mas se pode tentar capturar através da possessão. O amor em estado bruto, o amor 100% puro, o amor desvinculado das regras sociais é o amor mais absoluto e o que maior felicidade deveria proporcionar. Não proporciona porque exigimos que ele venha com certificado de garantia, atestado de bons antecedentes e comprovante de renda e de residência. Queremos um amor ficha-limpa para que possamos contratá-lo para um cargo vitalício. Não nos agrada a idéia de um amor solteiro. Tratamos rapidamente de comprometê-lo, não com o nosso amor, mas com nossas projeções. O amor, na essência, necessita de apenas três aditivos: correspondência, desejo físico e felicidade. Se alguém retribui seu sentimento, se o sexo é vigoroso e se ambos se sentem felizes na companhia um do outro, nada mais deveria importar. Por nada, entenda-se: não deveria importar se outro sente atração por outras pessoas, se outro gosta de fazer algumas coisas sozinho, se o outro tem preferências diferentes das suas, se o outro é mais moço ou mais velho, bonito ou feio, se vive em outro país ou no mesmo apartamento e quantas vezes telefona por dia. Tempo, pensamento, fantasia, libido e energia são solteiros e morrerão solteiros, mesmo contra nossa vontade. Não podemos lutar contra a independência das coisas. Aliança de ouro e demais rituais de matrimônio não nos casam. O amor é e sempre será autônomo. Fácil de escrever, bonito de imaginar, porém dificilmente realizável. Não é assim que estruturamos a sociedade. Amor se captura, se domestica e se guarda em casa. Às vezes forçamos sua estada e quase sempre entregamos a ele os direitos autorais de nossa existência. Quando o perdemos, sofremos. Melhor nem pensar na possibilidade de que poderíamos sofrer menos.

Martha Medeiros

CERTO E ERRADO

Posted in Tarefa de casa on 4 de outubro de 2010 by waleskapink

Desde pequena mantenho a distância entre o certo e o errado quase que imperceptível. Sempre questionei de onde vem este “certo” e este “errado”.  Deveria vir de dentro, da alma, mas vem da cultura, da igreja, da política… Por isso gera contradições, conflitos externos e principalmente os internos e mais difíceis de resolver. Costumo encontrar a singela diferença no palpitar do meu coração e no sorriso que carrego nos lábios.

 

Waleska Raquel

AMOR EPIDÉRMICO

Posted in PAIXÃO on 1 de outubro de 2010 by waleskapink

Seus pais foram jantar fora e deixaram o apartamento só para você, seu namorado e a tevê a cabo. Que inconseqüentes! Em menos de um minuto vocês deixam a televisão falando sozinha e vão ensaiar umas cenas de amor no quartinho dos fundos. De repente, escutam o barulho da fechadura. Seu pai esqueceu o talão de cheques. Passos no corredor. Antes que você localize sua camiseta, sua mãe se materializa na porta. Parece que ela está brincando de estátua, mas não resta dúvida que entrou em estado de choque. Você diz o quê? Mãe, a carne é fraca.

A desculpa é esfarrapada mas é legítima. Nada é mais vulnerável que nosso desejo. Na luta entre o cérebro e a pele, nunca dá empate. A pele sempre ganha de W.O.

Você planeja terminar um relacionamento. Chegou à conclusão que não quer mais ter a seu lado uma pessoa distante, que não leva nada à sério, que vive contando piadinhas preconceituosas e que não parece estar muito apaixonado. Por que levar a história adiante? Melhor terminar tudo hoje mesmo. Marca um encontro. Ele chega no horário, você também. Começam a conversar. Você engata o assunto. Para sua surpresa, ele ficou triste. Não quer se separar de você. E para provar, segura seu rosto com as duas mãos e tasca-lhe um beijo. Danou-se.

Onde foram parar as teorias, os diálogos que você planejou, a decisão que parecia irrevogável? Tomaram Doril. Você agora está sob os efeitos do cheiro dele, está rendida ao gosto dele, está ligada a ele pela derme e epiderme. A gravação do seu celular informa: seus neurônios estão fora da área de cobertura ou desligados.

Isso nunca aconteceu com você? Reluto entre dar-lhe os parabéns ou os pêsames. Por um lado, é ótimo ter controle absoluto de todas as suas ações e reações, ter força suficiente para resistir ao próprio desejo. Por outro lado, como é bom dar folga ao nosso raciocínio e deixar-se seduzir, sem ficar calculando perdas e danos, apenas dando-se ao luxo de viver o seu dia de Pigmaleão.

A carne é fraca, mas você tem que ser forte, é o que recomendam todos. Tente, ao menos de vez em quando, ser sexualmente vegetariano e não ceder às tentações. Se conseguir, bravo: terá as rédeas de seu destino na mão. Mas se não der certo, console-se. Criaturas que derretem-se, entregam-se, consomem-se e não sabem negar-se costumam trazer um sorriso enigmático nos lábios. Alguma recompensa há de ter.

Martha Medeiros