Arquivo para abril, 2009

Sereno

Posted in Não categorizado on 29 de abril de 2009 by waleskapink
 
 
 
 
Somente quando estamos tranqüilos,
somos capazes de ver as coisas como elas realmente são.
A ansiedade gera o medo, o medo gera a paralisação,
a paralisação inibe as atitudes.
Sem atitude somos vítimas do fracasso,
e o fracasso é a anulação, o descaso,
é o deixar-se levar…
A vida é um barco que pede remos,
e disposição para remar.”
 

(Paulo Roberto Gaefke)

Atestado de Capacidade

Posted in Não categorizado on 29 de abril de 2009 by waleskapink

Atestado de Capacidade

 

Jamais se faça de vítima, não espere compaixão dos outros, você não merece pena, não merece que tenham dó de você. Você merece amor!

Passe para o mundo um atestado de confiança em você mesmo, as pessoas devem sentir em você a capacidade de superar qualquer problema, e quando você disser sim é sim, não é não. Vá eliminando o talvez de sua vida…

Há no Universo uma fonte inesgotável de recursos para aqueles que querem realmente ser felizes, para os que deixam de reclamar simplesmente e partem para a ação de verdade. Muitos dizem timidamente “eu quero ser feliz” e já colocam a frente um “mas”, sempre tem um "mas" na frente dos que ainda não acordaram para a vida, sempre tem um “mas” na frente dos que preferem ainda se alimentar do passado que não volta, se alimentam de sonhos impossíveis, de fantasias doentias, de erros e remorsos. Quem quer ser feliz diz: “eu quero” e pronto, o Universo liga os motores da roda da alegria, da fortuna, da felicidade e passa a conspirar em teu favor.

Chega de sofrer, chega de mas, chega de obstáculos, hoje é o dia, hoje é o seu dia! Comece agora mentalizando todos os seus sonhos, mas por favor: Sonhos novos, sonhos de vida, esqueça a mala velha de sonhos rasgados, esqueça o que foi, comece o que será!

Eu, mais do que nunca, continuo acreditando em você.

Paulo Roberto Gaefke

 

E eu, mais do que nunca acredito em mim…

 

Waleska Raquel

MULHER QUE LÊ

Posted in Piadas on 29 de abril de 2009 by waleskapink
MULHER QUE LÊ…. 

Um casal sai de férias para um hotel-fazenda. O homem gosta de pescar e a mulher gosta de ler. Uma manhã, o marido volta da pesca e resolve tirar uma soneca.

 Apesar de não conhecer bem o lago, a mulher decide pegar o barco do marido e ler no lago.
Ela navega um pouco, ancora, e continua lendo seu livro.
 

Neste momento chega um guardião do parque em seu barco, pára ao lado da mulher e fala:
– Bom dia, madame. O que está fazendo?
 
– Lendo um livro – responde, pensando:
(- Será que não é óbvio?)
 – A senhora está numa área restrita em que a pesca é proibida – informa.
 
– Sinto muito, mas não estou pescando, estou lendo.
 
– Sim, mas com todo o equipamento de pesca.
Pelo que sei, a senhora pode começar a qualquer momento. Se não sair daí imediatamente, terei de multá-la e processá-la.
 
– Se o senhor fizer isso, terei que acusá-lo de assédio sexual.
 – Mas eu nem sequer a toquei! – diz o guardião.
 – É verdade, mas o senhor tem todo o equipamento. Pelo que sei, pode começar a qualquer momento.
 – Tenha um bom dia madame, diz ele, e vai embora.
 
MORAL DA HISTÓRIA:
NUNCA DISCUTA COM UMA MULHER QUE LÊ. CERTAMENTE ELA PENSA!

Desligo a Alma

Posted in Não categorizado on 26 de abril de 2009 by waleskapink

 

 

 

Desligo a alma

 

Vazio imenso, resquícios duma noite em que o sonho não aconteceu, pedaço de vida suspenso do nada, metáfora oca, palavra sem sentido, sentimento sem alma. Abri os olhos com o raiar do dia, no peito o ardor duma viagem sem destino, duma ida sem regresso, dum momento feito de sombras. O Sol queima o olhar que se contrai em espasmos de luz, procuro a sombra, procuro o escuro.
Do corpo ficaram os vestígios, da alma ficou a saudade, de mim nada ficou, apenas eternidade. No horizonte a tormenta avança, por mim deixo-me ficar, aqui, no limite entre a terra e o mar, no limite entre o firme e o precipício. No limiar da realidade, quando o sonho não me invade, fica sempre o gosto amargo, fica sempre uma imensidão cheia de nada, fica sempre uma saudade adiada.
Desligo a alma no interruptor da vida, ligo os motores que dão movimento ao corpo, coloco no lugar dos olhos um vidro castanho, ergo-me do chão, numa derradeira atitude de normalidade, e deixo-me ser como os outros, entrego-me à corrente deste rio de gente, ao quotidiano feito de rotinas de tempo, e deixo a alma apagada no fundo do saco! Desperto…

MUDE

Posted in Não categorizado on 26 de abril de 2009 by waleskapink
MUDE
Edson Marques

Mas comece devagar,
porque a direção é mais importante
que a velocidade.

Sente-se em outra cadeira,
no outro lado da mesa.
Mais tarde, mude de mesa.

Quando sair,
procure andar pelo outro lado da rua.
Depois, mude de caminho,
ande por outras ruas,
calmamente,
observando com atenção
os lugares por onde
você passa.

Tome outros ônibus.
Mude por uns tempos o estilo das roupas.
Dê os teus sapatos velhos.
Procure andar descalço alguns dias.

Tire uma tarde inteira
para passear livremente na praia,
ou no parque,
e ouvir o canto dos passarinhos.

Veja o mundo de outras perspectivas.
Abra e feche as gavetas
e portas com a mão esquerda.

Durma no outro lado da cama…
depois, procure dormir em outras camas.

Assista a outros programas de tv,
compre outros jornais…
leia outros livros,
Viva outros romances.

Não faça do hábito um estilo de vida.
Ame a novidade.
Durma mais tarde.
Durma mais cedo.

Aprenda uma palavra nova por dia
numa outra língua.
Corrija a postura.
Coma um pouco menos,
escolha comidas diferentes,
novos temperos, novas cores,
novas delícias.

Tente o novo todo dia.
o novo lado,
o novo método,
o novo sabor,
o novo jeito,
o novo prazer,
o novo amor.
a nova vida.

Tente.
Busque novos amigos.
Tente novos amores.
Faça novas relações.

Almoce em outros locais,
vá a outros restaurantes,
tome outro tipo de bebida
compre pão em outra padaria.
Almoce mais cedo,
jante mais tarde ou vice-versa.

Escolha outro mercado…
outra marca de sabonete,
outro creme dental…
tome banho em novos horários.

Use canetas de outras cores.
Vá passear em outros lugares.
Ame muito,
cada vez mais,
de modos diferentes.

Troque de bolsa,
de carteira,
de malas,
troque de carro,
compre novos óculos,
escreva outras poesias.

Jogue os velhos relógios,
quebre delicadamente
esses horrorosos despertadores.

Abra conta em outro banco.
Vá a outros cinemas,
outros cabeleireiros,
outros teatros,
visite novos museus.

Mude.
Lembre-se de que a Vida é uma só.
E pense seriamente em arrumar um outro emprego,
uma nova ocupação,
um trabalho mais light,
mais prazeroso,
mais digno,
mais humano.

Se você não encontrar razões para ser livre,
invente-as.
Seja criativo.

E aproveite para fazer uma viagem despretensiosa,
longa, se possível sem destino.

Experimente coisas novas.
Troque novamente.
Mude, de novo.
Experimente outra vez.

Você certamente conhecerá coisas melhores
e coisas piores do que as já conhecidas,
mas não é isso o que importa.
O mais importante é a mudança,
o movimento,
o dinamismo,
a energia.
Só o que está morto não muda !

 

 

PRA DESCONTRAIR

Posted in Piadas on 24 de abril de 2009 by waleskapink
 
UM BRINDE AO CAPIM
 
 
No Curso de Medicina, o professor se dirige ao aluno e pergunta:

-Quantos rins nós temos?
-Quatro! – Responde o aluno.
-Quatro? – Replica o professor, arrogante, daqueles que sentem prazer em
tripudiar sobre os erros dos alunos.

-Traga um feixe de capim, pois temos um asno na sala. – ordena o professor
a seu auxiliar.
-E para mim um cafezinho! – Replicou o aluno ao auxiliar do mestre..
O professor ficou irado e expulsou o aluno da sala. O aluno era,
entretanto, o humorista Aparício Torelly Aporelly (1895-1971), mais
conhecido como o ‘Barão de Itararé’.

Ao sair da sala, o aluno ainda teve a audácia de corrigir o furioso
mestre:

-O senhor me perguntou quantos rins ‘nós temos’. ‘Nós’ temos quatro: dois
meus e dois seus. ‘Nós’ é uma expressão usada para o plural.Tenha um bom
apetite e delicie-se com o capim.

A vida exige muito mais compreensão do que conhecimento! Às vezes as
pessoas, por terem um pouco a mais de conhecimento ou ‘acreditarem’ que o
tem (ADOREI ESSA!) , se acham no direito de subestimar os outros…

Viva a humildade………… E haja capim!!!

 

 

 

 

UM NOVO CAPÍTULO

Posted in Não categorizado on 21 de abril de 2009 by waleskapink
UM NOVO CAPÍTULO
 
 
Posso ver a claridade além do sol, antes disso, nuvens se aconchegam juntas sem nenhum trovão. São delicados os ventos do outono.  Caminho em direção à chuva que desabrocha adiante e entrego meu corpo às águas que o céu despeja em uníssono com meus derramamentos. Todas as minhas expectativas frustradas escoando pela terra.Tenho tudo que preciso e abro o peito e os braços e digo um SIM sonoro para o que meus olhos alcançam, o meu peito suporta e o mistério penetra. Eu me sinto em casa: tenho a imensidão do mar e horizontes inalcançáveis. E o que me faz caminhar é essa sucessão de desafios que não cessam, para que eu conheça meu poder de superação.

Eu construo minhas estradas e meus navios. E depois os aprimoro. E para que navegue ébria ou caminhe resoluta numa linha torta, preciso estar forte feito rocha. Eu moro nos mirantes quando preciso montar a trajetória dos meus próximos mapas. E abraço cada sensação que tenho ao apontar com o dedo meu próximo lugar sem um provável endereço. E, em vez de cidades, encontro sentimentos_ países inteiros a serem explorados: Amor, Medo, Confiança, Insegurança, Solidão… Meu destino é a Sabedoria. Não procuro atalhos, sei que é longa a travessia.

Estou virgem e confiante para que nada corrompa minha inocência, o que não significa ingenuidade. Não guardei memórias de dores ou desesperos passados. Eu me apeguei ao aprendizado. Eu me perdoei faz muito tempo. Sinto apenas que vivi as escolhas que fiz e não há erro nisso. Eu só tinha maturidade para experiências específicas e foram elas que me conduziram ao meu coração, a minha fonte criadora. Tenho tanta força em mim que não poderia guardá-la apenas para momentos adversos, tive que usá-la também na experimentação de um prazer exagerado, na minha sede pelo gozo absoluto.

No meu trabalho interno pelo desapego foi quando descobri que sempre me faltou fome, mas me sobravam apetites. Agora já percebo quando ainda não é a hora do mergulho, mas a de me encharcar sobre as superfícies. Percebo quando não sou eu quem tem de penetrar a água, mas de deixar que ela escorra sobre mim. Aprendi a me oferecer mordomias emocionais como adiar decisões dolorosas e a de ter a disciplina de cumprir rigidamente meus prazos.

Antes eu pensava que nunca havia tempo suficiente, hoje eu percebo que o melhor emprego do meu tempo é neste desvelar de mim mesma, nesta busca por uma orientação interior tão nítida que nada se misture à inquietude dos meus desejos. (Nem sempre se deseja o que é melhor) Não há mais lamentos, sou eu quem governa a minha vida e o meu tempo. Sou eu que escolho quem vai conviver comigo e participar da minha (auto)biografia, ser o foco da minha poesia ou desfrutar comigo apenas um breve e intenso momento.


(Posso ver com clareza além do sol…agora.)


*
Marla de Queiroz